sexta-feira, 29 de julho de 2011

Dádiva

É até ruim admitir, amor
Mas eu nada tenho pra você.
A não ser o maior amor do mundo,
Que é a melhor oferta também.
Mas eu só posso te amar de longe,
Escondido, baixinho e profundo
Sem ter você pra mim.
Mas não vou deixar que desapareça comigo
A vontade que tenho de amar você.
É onde te ofereço versos
Sobre o maior amor do mundo
Que seria sempre seu, de qualquer jeito.
Porém, te dou poesia ainda,
Porque foi como nasceu o amor
Triste, sofrido e imenso
Inspirando os versos que não terão respostas
Mas que seriam sempre seus, de qualquer jeito.
Só que se nada disso te bastar,
Tome então, minha vida,
Fonte do amor e da poesia,
Que seria sempre sua,
De qualquer jeito.



09/03/2010

3 comentários:

Anônimo disse...

É lindo o Seu poema, não cabe a mim dizer mais nada além de todos elogios possíveis, e o quão bom é lê-lo, senti-lo. Cada um, que é ou sabe de amor vai saber sentir bem. Como eu senti. Pq agnt sabe que amor é o melhor de tudo. :)

Ariel R. disse...

Amor, poesia e vida como presentes, não há melhor.

Moe disse...

que lindo, neah? faz bem (:

Postar um comentário

 
;