terça-feira, 22 de dezembro de 2009 0 comentários

Ausência

Eu sei que por vezes eu gostaria que
Meus versos não fossem seus.
E que minha boca desejasse beijos
Que não os seus.
Às vezes que gostaria que não houvesse esse amor tão puro,
Que só me fez chorar... e sorrir.
Gostaria que você me livertasse desta paixão louca
Que me estremece o peito e acelera o coração
Eu sei que por vezes eu gostaria que não fosse fácil lembrar de você.
E que você não insistisse em trazer lembranças
Que me fazem tão bem.
Gostaria que eu pudesse te esquecer
E você não mais me sentir
(Porque eu sei que sente)
E que meu sentimento fosse pequeno e passageiro como deveria.
Mas e como ficariam meus sonhos
Sem você a os protagonizar?
E como ficaria o meu pensamento
Sem pra você voar?
Sem você, não haveriam ilusões
E eu teria descanso de sofrer.
Mas, meu amor, porque insiste
Em fazer da minha procura dolorida
Meu maior - e único - prazer?


Weena Potter 17/01/08>
sexta-feira, 4 de dezembro de 2009 2 comentários

Meu Motivo


Me receba
Porque hoje estou cansada, e você não é meu porto seguro,
É segurança de tudo o que eu tenho nessa vida.
Me abrace, então.
Porque você não é conforto único,
É o certo.
Me agrade, então.
Porque você não é só alegria,
É felicidade completa.
Me beije então.
Porque seu toque não é bom,
É mágico.
Me ame, então.
Porque você não é necessidade,
É certeza de viver.
Me mereça, então.
Porque você não é motivo de existir,
É vida em si.
Me faça dormir, então.
Porque você não é realidade,
É sonho eterno.
Me complete, então.
Porque você não é meu último recurso,
É o único.
Nunca vá embora, então.
Porque eu não sou apenas um pedaço seu,
Sou promessa perpétua.


Weena Potter 13/04/09
sábado, 7 de novembro de 2009 2 comentários

Esperança

Acho que mesmo você, amor
Se ouvisse a minha história
Contada assim, da minha memória
Talvez compartilhasse da minha dor.

Porque te digo que se eu pudesse escolher,
Mesmo você concordaria
Que a melhor coisa que eu faria
Era de uma vez te esquecer.

Pois eu não sei se bem ou mal me faz
Você me manter sob esse encanto presa
Porque por vezes eu sinto tristeza
E por vezes alegria me traz.

Mas te digo que não desejo liberdade
Desse doce sentimento
Pois ele é como um sonho: em algum momento
Pode ainda ser verdade.


Weena Potter 04/09/08
sexta-feira, 9 de outubro de 2009 3 comentários

Inesperado Encontro

Te confesso - aquilo que mais desejo
É a tua atenção
Porque se me dedicasse sequer um beijo
Já seria demasiada sorte
Nem te insinuo então
Se me dedicasse paixão forte
Quando me faz corar quanto te vejo.



Que dirá se nos olhos me olhar
Com tamanha paixão nos seus refletida
Verdade que eu daria sem hesitar
Um segundo olhar, como investida
Mas amor, se a esse ponto chegar
Terá que em teus braços me carregar
Pois já estaria, há muito, de amor desfalecida!


Weena Pottter 12/04/08
terça-feira, 15 de setembro de 2009 5 comentários

Soneto de Uma Parte Por Inteiro

"Com a harmonia de várias gotas
Se forma a correnteza de um rio
De muitas pétalas se formam flores todas
Uma grande teia começa de um fio.
De muitos costumes se forma uma nação
Com alguns dentes é formado um sorriso
Com vários ritmos de forma uma canção
De muitas coisas bonitas é formado um paraíso.
O todo é feito de partes, apenas....
Um bolo sempre tem pedaços
As estrelas, afinal, formaram o espaço
A felicidade se encontra nas coisas pequenas.
E o homem, que diz ter descoberto tudo primeiro
Hoje, não consegue fazer sua parte
Para o mundo ser inteiro!"


Weena Potter



Esse poema escrevi em 2006, já não me lembro bem a data, e não tenho ele escrito comigo. O escrevi para o Concurso de Redação da Coopema, que tinha como tema "Escolher o Meio para ser Inteiro", quando eu estava no primeiro ano do ensino médio. Eu fiquei em primeiro lugar da minha sala e ganhei uma viagem para Goiás Velho, a qual eu não fui; em segundo lugar ficou Pedro Augusto, que foi no meu lugar e fez para mim um vídeo do soneto, pelo qual eu serei grata pra sempre.


video
domingo, 30 de agosto de 2009 3 comentários

Meus Versos

"Não espero que alguém veja beleza em meus versos. Nem que os repita para o mundo. Não espero que alguém venha a se encantar com eles e nem que me peçam para nunca parar de escrevê-los.
Não é para isso que os invento.
Eles existem porque eu os criei, e o fiz porque foi pra isso que eu nasci. Escrevo porque amo e não tenho outra forma de dedicar ao meu amor qualquer outra coisa.
Imagino, sim, que possam achar que faço pouco. Mas lhes digo que meus versos são tudo o que tenho. E me orgulho deles porque são puros.
Hoje, te escrevo não por ter um motivo especial, mas porque quis tê-lo por perto. Quando o faço, é quase como se estivesse aqui comigo, apesar de estarmos separados por longa distância. Eu o amo, e você será o único que sempre poderá dizer que possuiu meus versos. E mesmo aqueles que não escrevi são seus, pois se algum dia encontrar outra maneira de ter você, ainda lhe farei versos, só terei um motivo a menos.
Lhe escreverei porque eu nasci pra isso.
E você os terá porque os merece".

Weena Potter 21/06/08
terça-feira, 18 de agosto de 2009 3 comentários

E se...?

"E se te valesse a pena saber de mim?
E se eu, mesmo sofrendo não desistisse?
E se teu peito sentisse um amor que parece não ter fim?
E se eu, mesmo doendo, ainda fingisse?

E se a verdade, como uma flecha, te atingisse?
E se eu, mesmo lutando, te esquecesse?
E se antes de sequer chegar, eu partisse?
E se meus versos se apagassem sem que os lesse?

Você, mesmo tão longe, me imagina
Eu, mesmo querendo, não te conheço
Você, sem saber, a amar me ensina,
Eu, que nem te vi, teu amor mereço?"
quinta-feira, 13 de agosto de 2009 0 comentários

Apresentação

Vaidade


Sonho que sou a Poetisa eleita,
Aquela que diz tudo e tudo sabe,
Que tem a inspiração pura e perfeita,
Que reúne num verso a imensidade!

Sonho que um verso meu tem claridade
Para encher todo o mundo! E que deleita
Mesmo aqueles que morrem de saudade!
Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!

Sonho que sou Alguém cá neste mundo...
Aquela de saber vasto e profundo,
Aos pés de quem a terra anda curvada!

E quando mais no céu eu vou sonhando,
E quando mais no alto ando voando,

Acordo do meu sonho...
E não sou nada!...



Florbela Espanca
 
;